SIGE: como a Bom Futuro centralizou sua gestão de energia e minimizou suas paradas e tempos de indisponibilidade

SIGE: como a Bom Futuro centralizou sua gestão de energia e minimizou suas paradas e tempos de indisponibilidade

27 de setembro de 2021 0 Por Lucas Oliveira

Um bom gerenciamento de energia ajuda a otimizar os processos produtivos da empresa. Veja como a Bom Futuro, o maior produtor individual de soja no mundo e o maior na cultura do algodão no Brasil, centralizou sua gestão de energia e minimizou suas paradas e tempos de indisponibilidade, gerando economia e melhoria no controle dos insumos energéticos.

 

Como a Bom Futuro chegou na Metrum

A Bom Futuro tem um custo anual com energia que gira em torno de R$ 70 milhões de reais e buscava uma forma de controlar melhor este gasto. A empresa atua em todo o estado do Mato Grosso e, devido a amplitude do estado, as distâncias entre uma unidade e outra são grandes, sendo necessário uma gestão centralizada. Era preciso também reduzir as paradas e indisponibilidades das suas usinas e possibilitar um controle melhor com relação às demandas e as ultrapassagens de demandas – pois, são fatores que causam custos adicionais e desnecessários no seu processo.

No momento em que foi necessária essa melhoria, a Metrum entrou em ação com o Sistema Integrado de Gerenciamento de Energia (SIGE).

O SIGE é um sistema modular que engloba uma extensa gama de funcionalidades, dependendo de cada empresa, seus objetivos, porte, capacidade ou interesse de investimento em gerenciamento, controle e gestão dos vetores energéticos que são aplicados em seus produtos e processos.

Inicialmente, foram realizadas diversas reuniões entre a Metrum e a Bom Futuro a fim de alinhar todos os pontos entre as duas empresas. Inicialmente, foi feita uma reunião para apresentação da Metrum e do SIGE, posteriormente foram feitas reuniões de detalhamento técnico, alinhamento de escopo e, também, para esclarecer dúvidas que poderiam existir. O grande diferencial do projeto da Bom Futuro foi ele ter sido desenhado à quatro mãos.

 

Como foi feito o projeto da Bom Futuro

A princípio, a Metrum buscou oferecer um sistema que pudesse ser escalável. Um sistema que pudesse crescer com o tempo. Primeiramente, os esforços foram colocados na gestão de geração e consumo de energia. No entanto, o sistema foi preparado para atender demandas de rateio de custos entre as usinas, realizar análise de qualidade de energia, cálculo e comparação de KPIs entre as áreas produtivas de cada usina e controlar a demanda de forma automatizada.

 

Quais foram os resultados alcançados pela Bom Futuro?

A Bom Futuro possuía um problema de ultrapassagem de demanda, controles dos índices e da fatura, com a solução da Metrum foi possível minimizar estes problemas. Inicialmente, foram implantados alarmes sonoros, bem como por e-mails, que disparam na hora da ocorrência e identifica o problema, possibilitando a atuação diretamente no problema. Em outras palavras, com a gestão da qualidade de energia feita pelo SIGE, foi possível direcionar melhor os operadores em campo, para que eles possam atuar diretamente no problema.

 

“Atualmente, o grande ganho que a gente teve foi justamente ter o processo todo nas palmas das mãos, levando à redução de custos e de indisponibilidades, tanto na produção quanto na geração.”

– Lívio Costa Recedive