4 ferramentas gráficas para gerenciar energia

4 ferramentas gráficas para gerenciar energia

19 de fevereiro de 2021 0 Por Lucas Oliveira

Para chegar a alguma conclusão em qualquer forma de gerenciamento, é importante um estudo analítico a partir de dados adquiridos de diferentes fontes. Por exemplo, na gestão financeira analisa-se o fluxo de caixa e na gestão de projetos, os prazos. Já na gestão de insumos energéticos analisam-se consumo, eventos de qualidade de energia, variações de tensão, curvas de carga/demanda, KPIs de produção versus consumo, etc. – nesse caso é comum a utilização de 4 ferramentas gráficas para gerenciar energia.

Primeiramente, o gerenciamento de energia começa com a aquisição dos dados, que em sua maioria são provindos de medidores de energia. Seguindo para o tratamento e transformação desses dados em informações de valor, que possam ser traduzidos em posteriores ações com foco em um uso mais eficiente deste insumo. No entanto, é importante saber utilizar os melhores recursos gráficos para cada tipo de análise. Conheça abaixo as 4 ferramentas e como elas podem auxiliar na sua tomada de decisão em cada caso:

 

Gerenciamento por Dashboards

 

Imagem do Dashboard, que é 1 das 4 ferramentas para gerenciar energia

 

O gerenciamento e visualização de dados pelos painéis de controle, painéis de informações ou dashboards, vêm sendo muito utilizado devido à crescente disponibilidade de ferramentas com este propósito. Os dashboards são ferramentas versáteis. Por exemplo, eles permitem que o usuário defina quais são os melhores gráficos com base nas informações chave que este deseja visualizar.

Os gráficos mais comuns utilizados em dashboards para a análise de energia são:

  • Gráficos de barra. Facilitam a comparação de consumo no mesmo local em períodos diferentes (hoje x ontem, semana/mês/ano atual x semana/mês/ano anterior, etc).
  • Gráficos de pizza. Facilitam a comparação de consumo em diferentes áreas de uma planta.
  • Gráficos de linha. Facilitam a avaliação de perfil de variação de alguma grandeza (potência, tensão, corrente) podendo identificar causas e consequências de possíveis distúrbios.
  • Gráficos de tendência. Possibilitam visualizar a variação dos valores de uma grandeza em tempo real. Assim, pode identificar, no momento da ocorrência, tendências de crescimento ou diminuição dos valores medidos.
  • Valores de referência. Facilitam a comparação com metas ou limites definidos e a equivalência com outras variáveis como, emissão de CO2.
  • Gráficos normativos. Simplificam a manutenção de indicadores nos limites permitidos por norma e avaliam os impactos da excedência destes. Por exemplo, a curva ITIC/CBEMA é um gráfico normativo muito utilizado em análises de qualidade de energia, que estima a suportabilidade de equipamentos eletrônicos a eventos de qualidade de energia.
  • Páginas WEB. Possibilitam que haja um cruzamento de informações entre duas plataformas diferentes, podendo fazer correlações valiosas. A utilização de páginas de previsão do tempo ou de sistemas de gestão de produção são comuns nesse caso.

Em suma, os dashboards servem para comprimir uma grande quantidade de informações em pontos-chaves prontos para serem apresentados para equipes gerenciais. Muitas vezes apresentam atualizações em tempo real por meio de televisores em áreas estratégicas.

 

Gerenciamento por Diagramas

 

Imagem do diagrama, que é 1 das 4 ferramentas para gerenciar energia

 

A visualização de informações elétricas por meio de diagramas representativos (unifilar, trifilar, planta-baixa, etc) é uma outra ferramenta gráfica. Inegavelmente os diagramas são muito difundidos entre os sistemas de gerenciamento de energia, em particular os sistemas de controle SCADA. Essa forma de visualização simplifica a análise pontual para a equipe de manutenção por se basear em diagramas físicos já existentes. Assim, facilita a detecção de possíveis problemas ou a obtenção de medições em tempo real de grandezas diversas.

Um diagrama em um sistema de gerenciamento de energia possui uma estrutura de navegação “em árvore” por cliques em áreas. Ou seja, ao passo que existe uma seleção, filtra-se a localização do ponto de medição a ser verificado. Acessando o ponto de medição obtém-se todas as informações disponibilizadas pelo medidor em tempo real e/ou dados históricos.

Os pontos-chaves de um bom diagrama para o gerenciamento de energia, são:

  • Estrutura de navegação “em árvore”.
  • Visualização gráfica personalizável (cores, layouts, objetos gráficos).
  • Visualização de dados em tempo real e dados históricos.
  • Visualização gráfica da direcionalidade de distúrbios detectados pelos medidores.

 

Gerenciamento por Relatórios

 

Imagem do relatório, que é 1 das 4 ferramentas para gerenciar energia

 

A visualização por relatórios permite uma visão de longo prazo dos dados de energia de uma planta. Logo, podendo ser utilizados tanto em termos de dados passados, quanto em estimativas futuras.

Uma estrutura de relatórios permite a apresentação das informações de diferentes formas e cálculos. Isto é, utiliza variados templates gráficos e amplia a visão do operador para diferentes cenários.

Essa estrutura possibilita que o usuário escolha o período e os dispositivos a serem considerados para cada relatório, bem como possibilita organizar e salvar configurações para agilizar o processo de obtenção de informação. Permite também agendar a geração e envio de relatórios para e-mails em uma periodicidade específica e a personalização diante da necessidade específica do usuário. Dessa forma, um relatório de um sistema de gerenciamento de energia torna-se um documento a ser compartilhado e um acelerador de troca de informações e tomada de decisões.

Alguns relatórios chave que agilizam a gestão, são:

  • Relatório de consumo de energia por área, turno, dia, semana e mês.
  • Relatório de perfil de carga.
  • Relatório de qualidade de energia.
  • Relatório de previsão de consumo.
  • Relatório espelho da fatura de energia.
  • Relatório tabular de grandezas medidas.
  • Relatório de eventos e distúrbios do sistema.

Gerenciamento por Alarmes

 

Imagem do alarme, que é 1 das 4 ferramentas para gerenciar energia

 

Por fim, a configuração e visualização de alarmes para o gerenciamento de energia é importante para que não se deixe de detectar distúrbios críticos no sistema e o atingimento de limites de consumo, demanda, fator de potência, etc. Assim, a gestão por alarmes é complementar a gestão por Dashboards, Diagramas e Relatórios. Ela considera a tomada de ações corretivas, enquanto as outras formas gráficas permitem a tomada de ações preventivas.

Alarmes também podem possibilitar a visualização da forma de onda e perfil harmônico de eventos de qualidade de energia, bem como permite estimar os impactos em perda de carga devido a um evento específico.

Alguns alarmes que podem ser configurados para facilitar a análise, são:

  • Alarme de atingimento de demanda contratada.
  • Alarme de atingimento de meta de consumo diário, semanal, mensal.
  • Alarme de sobre ou subtensão.
  • Alarme de atingimento do limite do fator de potência.
  • Alarme de atingimento do limite de harmônicos.
  • Alarme de falha de comunicação com o medidor.

 

Portanto, percebe-se que as 4 ferramentas gráficas para gerenciar energia são diferentes formas de absorver informações obtidas a partir da medição e gerenciamento de energia. Cada operador pode se adaptar de uma forma que se encaixe melhor para sua operação e análise. O ponto importante é que as informações devem ser tratadas, analisadas e, posteriormente, transformadas em ações de melhoria e manutenção do sistema.

 

A Metrum possui o Sistema Integrado de Gerenciamento de Energia (SIGE). SIGE é um sistema de gerenciamento de energia modular e flexível que irá ajudar a economizar energia com eficiência. Acesse o site!